telenovelas

em parceria com a Activa

Perfil

Novelas

Em breve em 'Paixão': A mãe de Catarina cai em emboscada de Helena

A amada de Miguel vai viver momentos de angústia, tudo porque a rival, fingindo ser sua amiga, a leva a casa de César e a incita a enfrentar o bandido.

1 / 4

(c).RuiCarlosMateus.1954

2 / 4

(c).RuiCarlosMateus.1954

3 / 4

(c).RuiCarlosMateus.1954

4 / 4

Victor Freitas\302\251

Com Catarina desaparecida, a vida de Luísa e Miguel torna-se um inferno. Mesmo com a polícia no rasto da criança, a empresária continua a agir por conta própria... e a deixar-se enganar. Sabendo que a rival está fragilizada, Helena arma novo plano. Ela sabe que é César quem tem a menina e vai usar isso para fazer mal a Luísa. Quando chega a casa, a amada de Miguel depara-se com Helena. Não gosta de a ver ali sem ser convidada, mas, quando ela lhe diz que sabe onde está Catarina, Luísa fica atenta. “É o César que a tem. Provavelmente em casa dele. Tenho quase a certeza”, diz a vilã. Furiosa por estar a ouvir o que há tanto desconfia, a rival reage: “São essas as tuas suspeitas? A polícia já foi lá e não encontrou nada”. A outra interrompe-a, determinada. “Eu vi um desenho dela lá! Tenho a certeza que era dela. Já liguei à polícia e eles disseram que iam investigar.” Impaciente, Luísa tira da mala as chaves do carro: “Não, eu não vou esperar. Vou lá e é agora!” Fingindo--se preocupada com a irmã de Júlia, a malvada aconselha-a a esperar pela polícia. Contudo, mente-lhe, pois nada disse às autoridades e tudo faz parte do plano para a atrair a casa de César. A ideia é que, com medo de ser denunciado, o sul-africano cale Luísa para sempre.
Parede secreta
Já perto da casa dele, dentro da carrinha, a empresária aguarda a chegada da polícia que, obviamente, não vai aparecer. Nisto, Helena avança com o seu plano: “Espera! Parecia um grito de criança. Não ouviste?!” A tremer, Luísa sai da carrinha e começa a correr. “É perigoso, vamos esperar”, avisa a vilã. A rival recusa: “Estou farta de esperar. É a minha filha!” Sonsa, Helena incita-a: “Eu sei... Vou ligar à polícia... Vai buscar a tua filha, Luísa!” Ela corre e começa a dar murros na porta, exigindo entrar. César tenta impedi-la, mas a empresária avança e, ao ver o desenho de Catarina, agarra-o. “Este desenho é da minha filha. Onde é que ela está?!”