telenovelas

em parceria com a Activa

Perfil

Saúde

Castigos para os filhos: sim ou não?

A dra. Raquel Martins Ferreira responde!

Erik Reis - IKOstudio

Posso castigar o meu filho quando ele se portar mal? Qual a melhor forma de fazê-lo? Manuel, Lisboa
Os castigos fazem parte do crescimento e desenvolvimento de uma criança, devendo ser encarados como saudáveis e naturais. No entanto, tal como por vezes é necessário recorrer ao castigo, também é importante que existam recompensas. Estas não têm nem devem ser materiais. Podem ser algo mais simples como ser a criança a escolher a atividade que quer fazer (ir ao parque, andar de bicicleta, etc). Muitas vezes, o reforço positivo dos comportamento desejáveis eliminam os negativos sem ser necessário recorrer ao castigo e punição. A recompensa é uma das alternativas, no entanto, existem outras, tal como castigos mais assertivos do que outros, dependendo da idade da criança. Se possível, depois de um comportamento indesejável, tente conversar com ele, de forma a compreender qual a motivação desse comportamento (ex: chamada de atenção, tristeza, desilusão). Esta conversa deve acontecer quando o clima estiver mais calmo e houver condições para uma comunicação assertiva. Termine a conversa com a pergunta “o que podias ter feito de diferente?”. Esta questão ajuda a delinear novas estratégias.